Panc: você já ouviu falar?

O termo se refere a "plantas alimentícias não convencionais", ou seja, plantas que possuem alguma parte comestível que não seja comum para a grande maioria da população de uma região ou de um país. Mas qual a relação das Panc com a alimentação?


Normalmente, quando pensamos em folhas, vegetais, frutos, tubérculos, raízes, brotos ou flores automaticamente nos veem em mente as mais comumente utilizadas e que encontramos com facilidade em feiras e em grandes mercados. Ou seja, plantas que já conhecemos, vimos ou, ao menos, já ouvimos falar. No entanto, dado que a nossa alimentação (infelizmente) é homogênea e restrita, as opções que pensamos de forma automática estão longe de serem as únicas!


Quanto mais diversificada e variada for uma alimentação, mais nutritiva, rica em sabores e sustentável ela é! E ai as Panc podem enriquecer bastante o nosso repertório alimentar.


Apenas para mostrar o potencial, existem mais de 3 mil espécies de plantas com potencial alimentício ocorrentes no Brasil! Muitas delas são vistas apenas como mato, erva daninha, praga e, muitas vezes, com um olhar negativo ou, quando não negativo, falta a informação de que aquela planta (ou parte dela) tem potencial comestível. Assim, você já parou para pensar que um mundo cheio de possibilidades, sabores e nutrientes podem vir a ser conhecidos? Quantos novos pratos e preparações diferentes podem ser descobertos? Isso sem falar no reflexo financeiro, pois ao se trabalhar com plantas locais, adaptadas ao meio ambiente em que se encontram, gasta-se menos. Além disso, há resgate a alguns hábitos e cultura local que, dada a soberania da agricultura muitas dessas informações estão se perdendo com o tempo.


Será que você já comeu alguma Panc?


Cito apenas quatro exemplos, algumas sugestões de uso na culinária, juntamente com nomes populares e nome científico (importante tanto para se evitar qualquer confusão quanto para facilitar possível pesquisa). Ressalto, no entanto, que as sugestões apresentadas não são as únicas formas de consumo, uma vez que a culinária é vasta e possibilita criação de diversas receitas, com diferentes ingredientes, modos de preparo, textura, apresentação, dentre outras características.


* Taioba, taioba-verde, inhame-de-folha => essa planta é bastante conhecida no interior de alguns estados, em especial Minas Gerais e Rio de Janeiro. Utiliza-se as folhas e rizomas - ambos frescos. Os rizomas são ricos em carotenoides. As folhas podem ser consumidas refogadas e os rizomas cozidos e gratinados – sempre com processo térmico, visto teor de oxalato de cálcio. Nome científico é Xanthosoma taioba.





* Ora-pro-nobis, carne de pobre => ela é ocasionalmente cultivada com fins paisagísticos. Suas folhas, flores frescas e frutos (maduros e de vez) são comestíveis. Os frutos podem resultar em mousse, suco, geleia e licor. As folhas podem ser consumidas refogadas (igual couve), cruas, em suflê ou omelete. Nome científico é Pereskia aculeata.


* Ipê-amarelo, ipê-do-morro, pau-d'arco-amarelo => as flores são lindas e é uma árvore muito ornamental! As flores são comestíveis e podem ser consumidas empanadas ou cruas na salada. Nome científico é Handroanthus chrysotrichus.





No universo das Panc ainda há muito a se estudar, conhecer, descobrir e, principalmente, propagar e incentivar o consumo! E, nós nutricionistas, temos uma grande importância nesse processo de conhecimento e incentivo à diversidade e soberania alimentar!



Gabriela Avila

CRN 1-5018

2 visualizações

Centro Clínico Norte I, sala 205

Asa Norte, Brasília - DF

Tel: (61) 99866 2318

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon

© 2020 por Gabriela Avila. Criado orgulhosamente com Wix.com